Crianças em tratamento de câncer têm dia de bombeiro no Paraná

Crianças em tratamento de câncer têm dia de bombeiro no Paraná
Ação foi para comemorar o Dia das Crianças e o centenário da corporação. Crianças vestiram roupa de bombeiro e passearam por Cascavel.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Mulher é presa com 20 kg de maconha em ônibus intermunicipal. Saiba Mais...

Prisão ocorreu no posto de fiscalização da Polícia Rodoviária Federal na BR-262
Droga foi encaminhada para Delegacia Regional de Segurança Pública
A Policia Rodoviária Federal (PRF) na madrugada desta quarta-feira, 15 de outubro, por volta de 2h, prendeu uma mulher identificada como sendo B.A.S de 26 anos e apreendeu 20 quilos de maconha na BR-262 em Araxá. A acusada foi encaminhada para a Delegacia Regional de Segurança Pública. 

A PRF durante fiscalização de rotina no posto localizado na BR-262 parou um ônibus de transporte intermunicipal que fazia a linha Uberlândia/Belo Horizonte, e durante vistoria no interior do ônibus, localizou um bolsa contendo dois tabletes de maconha. De imediato uma mulher se prontificou sem ao menos os agentes rodoviários perguntarem algo a alguém e disse, “esta bolsa não é minha não”, levantando assim a suspeita.

Em seguida os policiais rodoviários vistoriaram as bagagens dos demais passageiros, sendo localizada uma mala contendo dentro mais 18 tabletes de maconha prensada. No momento ninguém assumiu a propriedade da mala e após os policiais rodoviários relatar que todos seriam presos e encaminhados a Delegacia de Policia Civil de Araxá, a mala foi identificada como de propriedade da mulher B.A.S, onde a mesma relatou que uma pessoa na cidade de Uberlândia pediu para que ele levasse a droga e que em uma rodoviária de uma determinada cidade, uma oura pessoa iria pegar esta mala com ela, não repassando maiores dados aos policiais rodoviários federais.

A mulher foi presa em flagrante por suspeita de tráfico de drogas e encaminhada para a Delegacia Regional de Segurança Pública. 

JA

Notas falsas são apreendidas durante operação na Zona da Mata

Jovem foi seguido de Ubá a Juiz de Fora, onde havia escritório de fachada.
Ao todo, a Polícia Civil encontrou R$ 5.850.


Do G1 Zona da Mata
Apreensão de notas falsas em Juiz de Fora, Ubá e Piraúba (Foto: Polícia Civil/Divulgação)Mais de R$ 5 mil foram apreendidos em Juiz de
Fora e Piraúba (Foto: Polícia Civil/Divulgação)
Dois jovens, de 21 e 24 anos, foram presos durante a Operação Banco Imobiliário II, deflagrada pela Polícia Civil de Ubá, na Zona da Mata. A ação começou nesta quarta-feira (15), quando uma equipe da Delegacia Antidrogas e Inteligência seguiu o jovem de 24 anos de Ubá até Juiz de Fora. As atividades foram finalizadas na madrugada desta quinta-feira (16). Foram apreendidos cerca de R$ 5.850 em notas falsas, três tabletes de maconha, balança de precisão, material para embalagem de drogas e cigarros sem nota fiscal.
Em Juiz de Fora, o jovem de 24 se encontrou com o outro. Durante monitoramento, eles entraram em um táxi nas proximidades do Parque Halfeld, no Centro. O fato intrigou os policiais, que os abordaram quando iam para o Calçadão da Rua Halfeld, onde, de acordo com a polícia, o mais novo tinha um escritório de fachada. Com o suspeito havia três notas falsas de R$ 50 e, dentro do escritório, mais de R$ 5 mil em dinheiro falso.
Na casa dele, foi apreendido ainda maconha, balança de precisão e material para embalar. Em seguida, equipe foi até Piraúba, na Zona da Mata, onde encontrou, na casa do suspeito mais velho, cerca de R$ 500 em notas falsas.
Segundo a Polícia Civil, eles confessaram que repassaram dinheiro falso ao taxista comprovar que a nota não seria recusada. Os suspeitos foram encaminhados ao presídio de Ubá.

Justiça condena cinco presos em MG por tráfico internacional de drogas

Acusados foram flagrados descarregando 234 quilos cocaína de avião.
Crime aconteceu em 2013 em Santa Vitória; um dos réus está foragido.


Do G1 Triângulo Mineiro
Cinco criminosos, presos em 2013 em Santa Vitória, no Triângulo Mineiro, foram condenados pelo Ministério Público Federal (MPF) por tráfico internacional de drogas. A informação foi repassada nesta quinta-feira (16) pela Procuradoria da República. Os acusados foram detidos após operação da Polícia Federal, que resultou na apreensão de 234 quilos de pasta base de cocaína. Dois condenados estão presos e um está foragido. Outros dois poderão recorrer da sentença em liberdade. Entre os objetos apreendidos, foram encontrados recibos da Bolívia e cartões do Paraguai.
O crime foi registrado dia 8 de março de 2013, quando a PF surpreendeu um avião durante o pouso em uma pista clandestina, em propriedade rural próxima à BR-364. A droga tinha origem em Xinguara, no Pará.
Os policiais federais abordaram José Benedito Lopes de Faria e Arsênio Antônio dos Reis, que estavam dentro de uma caminhonete aguardando a chegada da aeronave. Ao perceberem que alguma coisa estava “errada”, o co-piloto Amaury Moura Silveira, que estava descarregando as mochilas com cocaína, retornou para dentro do avião e começou a decolar para escapar ao flagrante. Teve início então uma tentativa de fuga, que foi interrompida quando a PF conseguiu atingir a cauda do avião com uma caminhonete. As imagens foram divulgadas pelos policias. (Veja vídeo acima)
Em depoimento, o piloto Evandro Rocha dos Reis contou que foi procurado por uma pessoa que lhe ofereceu R$ 30 mil para transportar a droga do Pará até o Triângulo Mineiro, e tanto ele quanto seu co-piloto, Amaury, afirmaram desconhecer o contratante. No entanto, documentos e objetos apreendidos em poder dos acusados indicaram a origem da droga: foram encontrados moedas e recibos de origem boliviana, cartões telefônicos de empresas bolivianas e paraguaias, cartão de táxi do Paraguai e até um cupom de supermercado de uma cidade boliviana.
Na denúncia, o MPF também relatou que, em um GPS apreendido com os acusados, foram encontrados arquivos sobre pistas de pouso clandestinas na Colômbia e Venezuela. Outros objetos apreendidos também demonstram constantes viagens dos réus por território estrangeiro.
Suspeitos serão ouvidos e encaminhados à penitenciária (Foto: reprodução/TV Integração)Suspeitos respondem por tráfico internacional
de drogas (Foto: reprodução/TV Integração)
Essas circunstâncias, aliadas à espécie e quantidade da droga, bem como ao modo de transporte utilizado, foram consideradas pelo Juízo Federal suficientes para demonstrar a “internacionalidade do tráfico de entorpecentes”. Dois dos condenados, inclusive, já respondem a outras ações por tráfico de entorpecentes. José Benedito Lopes Faria, que portava documentos falsos por estar foragido, responde a um processo por tráfico na comarca de Marília (SP). Bruno Gerheim já tem contra si condenação transitada em julgado, com pena de 8 anos de prisão, na cidade de Juiz de Fora.
Situação dos condenados
Dois condenados, José Benedito Lopes de Faria e Bruno Santos Gerheim, encontram-se presos; Arsênio Antônio dos Reis está foragido. Os outros dois réus, Evandro Rocha dos Reis, piloto, e Amaury Moura Silveira, co-piloto, tiveram a pena de prisão substituída por prestação de serviços à comunidade e poderão recorrer da sentença em liberdade.

Prisão domiciliar de 'Irmão Metralha' é revogada em Juiz de Fora

Ele estava detido por tentativa de homicídio, diz polícia.
Com ele a polícia apreendeu arma de uso restrito das forças armadas.


Do G1 Zona da Mata
Glock apreendida em Juiz de Fora (Foto: Polícia Civil/Divulgação)Arma apreendida é de uso restrito das forças
armadas (Foto: Polícia Civil/Divulgação)
Foi encaminhado para o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) nesta quinta-feira (16) um dos três irmãos que formavam o grupo "Irmãos Metralha" em Juiz de Fora. Segundo a Polícia Civil, a prisão domiciliar do homem de 44 anos foi revogada pela Justiça e ele foi preso nesta quinta em casa, no Bairro Aeroporto.
G1 entrou em contato com a Vara de Execuções Criminais, mas o juiz responsável não se encontrava para comentar o caso.
Ao cumprir o mandado de prisão, a Polícia Civil encotrou no local uma pistola Glock, de uso restrito das forças armadas e 28 munições calibre nove milímetros. Devido a isso, o delegado de Homicídios Rodrigo Rolli também o autuou em flagrante por porte ilegal de arma de fogo.
Segundo a Polícia Civil, ele estava preso em casa após condenação por tentativa de homicídio. O delegado também disse que os "Irmãos Metralha" era um grupo de traficantes que comandava a região dos bairros São Benedito e Vila Alpina.

Após 15 anos foragido, suspeito de matar esposa é preso em Uberlândia

Homem de 43 anos foi detido depois de denúncia; crime foi no Norte de MG.
Ele foi apresentado pela Polícia Civil nesta quinta-feira (16).


Vanessa DuarteDo G1 Triângulo Mineiro
Homem estava morando em Uberlândia, no Bairro Shopping Park (Foto: Vanessa Duarte/G1)Homem estava morando em Uberlândia, no Bairro Shopping Park (Foto: Vanessa Duarte/G1)
Um homem de 43 anos foi preso nesta quinta-feira (16) no Bairro Shopping Park, em Uberlândia. Segundo a Polícia Civil, ele é suspeito de matar a mulher em 1999 em Jaíba, no Norte de Minas Gerais. Ele estava foragido desde o crime e foi detido após denúncia anônima. O suspeito foi apresentado durante coletiva com a imprensa.
De acordo com o delegado Bernardo Pena Sales, o homem deu várias facadas na vítima na frente dos dois filhos do casal, ambos menores de idade na época.
Ainda segundo o delegado, depois do crime o suspeito não retornou para Jaíba e já estava foragido há 15 anos.
O suspeito do homicídio disse, durante a coletiva, que deu apenas uma facada na barriga da esposa, garantiu que não matou a mulher na frente dos filhos e que o motivo que o levou a cometer o crime foi traição.
O homem morava em Uberlândia há três anos, trabalhava como ajudante de pedreiro e morava com a mãe no Bairro Shopping Park.

Mais duas pessoas são presas em operação da PF contra pedofilia

Prisões ocorreram no Rio Grande do Sul e em Pernambuco, nesta quinta.
No total, são 53 presos no Brasil durante a Operação DarkNet,


Do G1 RS
Operação da PF apura pedofilia em 18 estados e DF (Foto: Polícia Federal/Divulgação)Operação da PF investiga pedofilia em 18 estados
e DF (Foto: Polícia Federal/Divulgação)
A Polícia Federal prendeu mais duas pessoas nesta quinta-feira (16) na Operação DarkNet, deflagrada na quarta em 18 estados e no Distrito Federal para combater a pedofilia e a produção e divulgação de conteúdo de pornografia infantil. Segundo os policiais, um dos detidos é do Rio Grande do Sul e outro dePernambuco. No total, são 53 presos no Brasil.
A ação ocorreu por meio da superintendência da Polícia Federal no Rio Grande do Sul, que  coordenou simultaneamente por 44 unidades da PF e envolveu 500 agentes. O objetivo com as buscas é confirmar a identidade dos suspeitos e buscar elementos que comprovem os crimes de armazenamento e divulgação de imagens, além de abuso sexual de crianças e adolescentes.
Entre os presos, estão um seminarista, servidores públicos, empresários, militares e professores, entre outros. Quatro pessoas já haviam sido presas durante as investigações neste ano.
"Qualquer pessoa, homem ou mulher inclusive, pode ser um praticante desse crime encontramos os mais variados perfis, diferentes classes e profissões", declarou a delegada Diana Calazans. "Não há produção de pornografia infantil sem abuso. Essas imagens, por mais que se pareça algo banal, são subprodutos de um abuso, Nessas redes mais sofisticadas, quanto mais fundo a gente vai, mais encontramos pessoas que abusam de crianças do seu círculo familiar, abusam e compartilham essas imagens com seus contatos", completou.
Além do Rio Grande do Sul, a Operação DarkNet ocorre nos estados do AmazonasAmapá,BahiaCearáEspírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, PiauíParanáRio de JaneiroRio Grande do NorteRondôniaSanta CatarinaSão Paulo e Mato Grosso do Sul, além do Distrito Federal.
A investigação ocorreu através do rastreamento de pornografia infantil na chamada deep web, espaço da internet que não é acessado pelo usuário convencional e cujo conteúdo não aparece em sites de busca. Para chegar até ela, é necessário ter um programa que torna a navegação anônima, o que impede a identificação de quem manda e recebe dados da internet.
"Pela primeira vez, conseguimos investigar a internet profunda, e isso revela um amadurecimento do nosso trabalho, com um resultado muito positivo. É uma conquista para a sociedade a possibilidade de investigar essas pessoas que adquirem conhecimento para se ocultar da polícia", explicou Diana.
Operação da PF apura pedofilia em 18 estados e DF (Foto: Polícia Federal/Divulgação)Foram apreendidos discos rígidos e telefones
celulares (Foto: Polícia Federal/Divulgação)
Através de metodologia de investigação inédita e ferramentas desenvolvidas, os policias federais conseguiram quebrar esse paradigma e identificar mais de 90 usuários que compartilham pornografia infantil. Segundo a PF, apenas as polícias norte-americana e inglesa, FBI e Scotland Yard, haviam realizado este tipo de trabalho.
Conforme a Polícia Federal, no decorrer da investigação, pelo menos seis crianças foram resgatadas de situações de abuso ou do iminente estupro, em Minas GeraisGoiás e São Paulo. Em um dos casos, em Uberlândia (MG), o marido de uma mulher grávida de sete meses relatava que iria abusar da filha depois que ela nascesse.
"Estava claro que ele ia fazer isso. Quando nós chegamos, a esposa não acreditou, disse que havia um engano. Mas ele nos agradeceu por estarmos prendendo ele, porque ele ia fazer. Ele admitiu à esposa, inclusive, que iria abusar", disse o delegado Rafael França.
Nesses episódios, policiais federais agiram e evitaram que as crianças permanecessem ou se tornasse vítimas, prendendo outros três investigados.
A Operação DarkNet é resultado de um ano de investigações. Mais de 14 endereços IP (sigla para "Internet Protocol", espécie de endereço virtual) foram analisados.
Como denunciar
A Operação DarkNet contou com o apoio do Ministério Público Federal (MPF) no Rio Grande do Sul. A procuradora da República Jaqueline Ana Buffon, que atuou no caso, orienta pais a tomarem cuidado com possíveis investidas de pedófilos na internet contra seus filhos e observarem os comportamentos das crianças. Denúncias podem ser feitas por meio do site do órgão ou pelo Disque 100.

Debate sobre armamento da Guarda Municipal é realizado em Uberaba

Audiência pública será nesta quinta (16), no Plenário da Câmara Municipal.
Proposta prevê uso de arma de fogo aos guardas.


Do G1 Triângulo Mineiro
Taser Guarda Municipal Uberaba (Foto: Reprodução / TV Integração)Audiência vai reunir autoridades da área de
segurança (Foto: Reprodução / TV Integração)
A audiência pública para discutir o armamento da Guarda Municipal de Uberaba acontece nesta quinta-feira (16) no Plenário da Câmara Municipal, às 19h. A iniciativa é do vereador Edcarlo Carneiro, o Kaká Se Liga, após a sanção do "Estatuto Geral das Guardas Municipais", em agosto. A proposta prevê o uso de armas de fogo aos profissionais dando a eles ainda o poder de polícia. Com isso, a GM também poderá atuar no patrulhamento preventivo, em ações de prevenção à violência e em conjunto com a Polícia Civil e Polícia Militar.

A audiência pública vai discutir com a população e autoridades da segurança pública a implantação da proposta em Uberaba. "Nosso objetivo também é, com o armamento, minimizar os reflexos do déficit do efetivo da Polícia Militar na cidade", declarou Kaká Se Liga.
Além do armamento, Kaká Se Liga quer trabalhar para o aumento do efetivo e por uma remuneração melhor para a Guarda Municipal de Uberaba. Ele também defende para o contingente um novo plano de carreira, um quartel adequado, com frota de veículos, infraestrutura e o mais importante: treinamento.

Procedimento
São necessários dois anos para armar a Guarda Municipal. Primeiro, é preciso alterar o regimento da corporação, já que a GM tem que se transformar em Polícia Municipal. Depois, os guardas terão de passar por testes de capacitação e avaliação psicológica. Ainda é preciso a liberação da Polícia Federal e o próprio Exército Brasileiro para que seja feito a compra das armas. A legislação prevê ainda que para cidades de 50 mil a 500 mil habitantes, o GM só pode usar a arma em horário de serviço. Em cidades acima de 500 mil habitantes, o GM pode usar a arma quando estiver à paisana. As informações foram divulgadas pela assessoria da Câmara Municipal.

Passa de 50 o número de presos em operação da PF contra a pedofilia

Operação DarkNet cumpre mandados no Brasil e países do exterior.
Investigação ocorreu pelo rastreamento de pornografia infantil na deep web.


Do G1 RS
Operação da PF apura pedofilia em 18 estados e DF (Foto: Polícia Federal/Divulgação)Operação da PF apura pedofilia em 18 estados e DF (Foto: Polícia Federal/Divulgação)
Chegou a 51 o número de presos nesta quarta-feira (15) em operação de combate à pedofilia realizada pela Polícia Federal em 18 estados e no Distrito Federal. Coordenada pela corporação no Rio Grande do Sul, a ação deflagrada simultaneamente por 44 unidades da PF conta com cerca de 500 agentes. Outras quatro pessoas haviam sido presas no decorrer das investigações, totalizando 55 prisões no total.
Foram seis prisões no Rio Grande do Sul. Outras 18 ocorrências foram registradas em São Paulo, duas no Amazonas, duas no Amapá, uma na Bahia, uma no Ceará, duas no Distrito Federal, uma em Goiás, oito em Minas Gerais, duas no Pará, uma no Piauí, quatro no Paraná, uma no Rio de Janeiro, e duas no Rio Grande do Norte.
Entre os presos, estão um seminarista e um agente penitenciário. "Servidores públicos e militares estão sendo investigados, além de empresários. Um deles, aqui no estado, foi flagrado dormindo com uma criança em Viamão", disse o delegado Sandro Caron, superintendente da PF no Rio Grande do Sul, em entrevista coletiva realizada em Porto Alegre.
Ao todo, são cumpridos 93 mandados de busca, de prisão e de condução coercitiva no país. O objetivo com as buscas é confirmar a identidade dos suspeitos e buscar elementos que comprovem os crimes de armazenamento e divulgação de imagens, além de abuso sexual de crianças e adolescentes. Outros 12 mandados são cumpridos em Portugal, Colômbia, México, Venezuela e Itália.
Operação da PF apura pedofilia em 18 estados e DF (Foto: Polícia Federal/Divulgação)Operação da PF apura pedofilia em 18 estados e
DF (Foto: Polícia Federal/Divulgação)
Além do Rio Grande do Sul, a Operação DarkNet ocorre nos estados do Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Mato Grosso do Sul, além do Distrito Federal.
A investigação ocorreu através do rastreamento de pornografia infantil na chamada deep web, espaço da internet que não é acessado pelo usuário convencional e cujo conteúdo não aparece em sites de busca. Para chegar até ela, é necessário ter um programa que torna a navegação anônima, o que impede a identificação de quem manda e recebe dados da internet.
Através de metodologia de investigação inédita e ferramentas desenvolvidas, os policias federais conseguiram quebrar esse paradigma e identificar mais de 90 usuários que compartilham pornografia infantil. Segundo a PF, apenas as polícias norte-americana e inglesa, FBI e Scotland Yard, haviam realizado este tipo de trabalho.
Segundo a PF, no decorrer da investigação, pelo menos seis crianças foram resgatadas de situações de abuso ou do iminente estupro, em diversos locais do Brasil. Em um dos casos, um pai relatava que iria abusar da filha assim que ela nascesse. Nesses episódios, policiais federais agiram e evitaram que as crianças permanecessem ou se tornasse vítima, prendendo quatro investigados.
Coletiva da PF sobre operação contra pedofilia em Porto Alegre (Foto: Paula Menezes/G1)Computadores, discos rígidos e celulares foram
apreendidos (Foto: Paula Menezes/G1)
A Operação DarkNet é resultado de um ano de investigações. Mais de 14 endereços IP (sigla para "Internet Protocol", espécie de endereço virtual) foram analisados. Entre os investigados, há policiais, empresários e até mesmo padres.
De acordo com a delegada Diana Kalazans Mann, não há um perfil específico de pessoa que comete crime de pedofilia. "Qualquer pessoa, homem ou mulher inclusive, pode ser um praticante desse crime encontramos os mais variados perfis, diferentes classes e profissões", declarou a delegada. No Rio Grande do Sul, foram presos um técnico em informática, técnico em telefonia, professor de jiu-jitsu, auxiliar de enfermagem, porteiro e estudante de matemática.
Segundo ela, não há produção de pornografia infantil sem abuso. "Essas imagens, por mais que se pareça algo banal, é subproduto de um abuso. Nessas redes mais sofisticadas, quanto mais fundo a gente vai, mais encontramos pessoas que abusam de crianças do seu círculo familiar, abusam e compartilham essas imagens com seus contatos", declarou.
Como denunciar
A Operação DarkNet contou com o apoio do Ministério Público Federal (MPF) no Rio Grande do Sul. A procuradora da República Jaqueline Ana Buffon, que atuou no caso, orienta pais a tomarem cuidado com possíveis investidas de pedófilos na internet contra seus filhos e observarem os comportamentos das crianças. Denúncias podem ser feitas por meio do site do órgão ou pelo Disque 100.

Polícia encontra R$ 21 mil enterrados em quintal de casa em Divinópolis

PM também encontrou dólares, drogas e uma réplica de revólver.
Dois foram detidos suspeitos de tráfico de drogas e assaltos.


Do G1 Centro-Oeste de Minas
Dinheiro estava enterrado em Divinópolis (Foto: Polícia Militar/Divulgação)Dinheiro estava enterrado no quintal de uma casa
(Foto: Polícia Militar/Divulgação)
Um jovem de 22 anos foi preso e um adolescente de 16 foi apreendido na noite desta terça-feira (14) suspeitos de tráfico de drogas e assaltos em Divinópolis. A ocorrência foi na Rua Castelhanos no Bairro Jardim das Oliveiras II. Após denúncia anônima, a Polícia Militar (PM) apreendeu com eles U$ 1.000, mais de R$ 21 mil em dinheiro, três tabletes de maconha, quatro buchas da mesma droga, uma réplica de revólver, uma bucha de cocaína, um celular e um perfume.
De acordo com a PM, o material foi encontrado na casa do jovem e os mais de R$ 21 mil estavam enterrados no quintal do local. Os militares contaram que o suspeito relatou que conseguiu o dinheiro, o celular e o perfume durante um assalto que praticou com outros, de 21, 23 e 26 anos. Foi realizado rastreamento em busca dos demais suspeitos, mas ninguém foi localizado.
Segundo a PM, o jovem e o adolescente foram detidos e encaminhados juntamente com o material apreendido para a delegacia de Polícia Civil de Divinópolis.

PF cumpre mandados em ação de combate à pedofilia no interior de MG

Adolescentes foram detidos em Uberlândia e Carmo do Paranaíba.
Polícia Federal realiza operação em 18 Estados e no Distrito Federal.


Do G1 Triângulo Mineiro
Operação da PF apura pedofilia em 18 estados e DF (Foto: Polícia Federal/Divulgação)Operação da PF é realizada no país
(Foto: Polícia Federal/Divulgação)
A Polícia Federal (PF) realiza nesta quarta-feira (15) uma operação de combate à pedofilia em todo o Brasil, que leva o nome de DarkNet. A intenção é cumprir 93 mandados de busca, de prisão e de condução coercitiva em 18 Estados e no Distrito Federal. No Triângulo Mineiro e no Alto Paranaíba foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão, resultando em dois adolescentes detidos.
Segundo o delegado da Polícia Federal Carlos Henrique Cotta D'Ângelo, um adolescente de 16 anos foi apreendido em Uberlândia e outro, de 17 anos, em Carmo do Paranaíba, no Alto Paranaíba. Os pais estão acompanhando os detidos, que estão colaborando com a polícia.
Ainda segundo o delegado, foram apreendidos também computadores, pendrives, câmeras fotográficas e notebooks. Os peritos iniciaram a varredura nos equipamentos e já foram encontrados materiais pornográficos.
D'Ângelo comentou que cada delegacia investigou o caso da sua respectiva região. Os adolescentes serão encaminhados para o Juizado da Infância e Juventude. “O objetivo agora é identificar a forma como eles tiveram acesso a esse conteúdo e algumas questões sobre a troca dessas imagens”, ressaltou.
Operação
A Operação DarkNet é resultado de um ano de investigações. Mais de 14 endereços IP (sigla para "Internet Protocol", espécie de endereço virtual) foram analisados. Entre os investigados, há policiais, empresários e até mesmo padres.
A ação, coordenada pelo Rio Grande do Sul, foi deflagrada simultaneamente por 44 unidades da PF e conta com cerca de 500 agentes. Outros 12 mandados são cumpridos em Portugal, Colômbia, México, Venezuela e Itália. 
A investigação ocorreu através do rastreamento de pornografia infantil na chamada deep web, espaço da internet que não é acessado pelo usuário convencional e cujo conteúdo não aparece em sites de busca. Para chegar até ela, é necessário ter um programa que torna a navegação anônima, o que impede a identificação de quem manda e recebe dados da internet. Através de metodologia de investigação inédita e ferramentas desenvolvidas, os policias federais conseguiram quebrar esse paradigma e identificar mais de 90 usuários que compartilham pornografia infantil. Segundo a PF, apenas as polícias norte-americana e inglesa, FBI e Scotland Yard, haviam realizado este tipo de trabalho.
Segundo a Polícia Federal, no decorrer da investigação, pelo menos seis crianças foram resgatadas de situações de abuso ou do iminente estupro, em diversos locais do Brasil. Nesses episódios, policiais federais agiram, prendendo quatro investigados.